Seguidores

DESENCANTO- BLOGAGEM COLETIVA AMOR EM PEDAÇOS

 Esta crônica retrata na íntegra nossos desencantos e a melhor forma de encará-los.Lembrar sempre(inclusive eu) que o amor sozinho não basta.Precisamos de uma boa dose de carinho,respeito,lealdade,compreensão,capacidade de perdoar de verdade,tolerância,diálogo,indulgência,verdade,amizade e muita,muita sabedoria 

RELACIONAMENTO
RUBEM ALVES

                       FOTO:MEU FILHO FÁBIO EDUARDO E FAMÍLIA

Depois de muito meditar sobre o assunto concluí que, os casamentos (relacionamentos) são de dois tipos: Há os casamentos do tipo tênis e há os casamentos do tipo frescobol.
Os casamentos do tipo tênis são uma fonte de raiva e ressentimentos e terminam sempre mal. Os casamentos do tipo frescobol são uma fonte de alegria e têm a chance de ter vida longa.
Explico-me.
Para começar, uma afirmação de Nietzsche com a qual concordo inteiramente.
Dizia ele: “Ao pensar sobre a possibilidade do casamento, cada um deveria se fazer a seguinte pergunta: Você crê que seria, capaz de conversar com prazer com esta pessoa até sua velhice”?
Tudo o mais no casamento é transitório, mas as relações que desafiam o tempo são aquelas construídas sobre a arte de conversar.
Sheerazade sabia disso. Sabia que os casamentos baseados nos prazeres da cama são sempre decapitados pela manhã, terminam em separação, pois os prazeres do sexo se esgotam rapidamente, terminam na morte, como no filme “O Império dos Sentidos”.
Por isso, quando o sexo já estava morto na cama e o amor não mais se podia dizer através dele, ela o ressuscitava pela magia da palavra: começava uma longa conversa sem fim, que deveria durar mil e uma noites.
O sultão se calava e escutava as suas palavras como se fosse música.
A música dos sons ou da palavra - é a sexualidade sob a forma da eternidade: é o amor que ressuscita sempre, depois de morrer.
Há os carinhos que se fazem com o corpo e há os carinhos que se fazem com as palavras. E contrariamente ao que pensam os amantes inexperientes, fazer carinho com as palavras não é ficar repetindo o tempo todo: ”Eu te amo...”
Barthes advertia: “Passada a primeira confissão, “eu te amo” não quer dizer mais nada. É na conversa que o nosso verdadeiro corpo se mostra, não em sua nudez anatômica, mas em sua nudez poética”.
Recordo a sabedoria de Adélia Prado: “Erótica é a alma”.
O tênis é um jogo feroz. O seu objetivo é derrotar o adversário. E a sua derrota se revela no seu erro: o outro foi incapaz de devolver a bola. Joga-se tênis para fazer o outro errar. O bom jogador é aquele que tem a exata noção do ponto fraco do seu adversário, e é justamente para aí que ele vai dirigir sua “cortada”, palavra muito sugestiva, que indica o seu objetivo sádico, que é o de cortar, interromper, derrotar.
O prazer do tênis se encontra, portanto, justamente no momento em que o  jogo não pode mais continuar porque o adversário foi colocado fora de jogo.
Termina sempre com a alegria de um e a tristeza de outro.
O frescobol se parece muito com o tênis: dois jogadores, duas raquetes e uma bola. Só que, para o jogo ser bom, é preciso que nenhum dos dois perca.
Se a bola veio meio torta, a gente sabe que não foi de propósito e faz o maior esforço do mundo para devolvê-la gostosa, no lugar certo, para que o outro possa pegá-la.
Não existe adversário porque não há ninguém a ser derrotado. Aqui, ou os dois ganham ou ninguém ganha. E ninguém fica feliz quando o outro erra, pois o que se deseja é que ninguém erre. E o que errou pede desculpas, e o que provocou o erro se sente culpado. Mas não tem importância: começa-se de novo este delicioso jogo em que ninguém marca pontos...
A bola: são nossas fantasias, irrealidades, sonhos sob a forma de palavras.
Conversar é ficar batendo sonho prá lá, sonho prá cá...
Mas há casais que jogam com os sonhos como se jogassem tênis. Ficam à espera do momento certo para a cortada.
Tênis é assim: recebe-se o sonho do outro para destruí-lo, arrebentá-lo, como bolha de sabão...
O que se busca é ter razão e o que se ganha é o distanciamento.
Aqui, quem ganha sempre perde.
Já no frescobol é diferente: o sonho do outro é um brinquedo que deve ser preservado, pois se sabe que, se é sonho, é coisa delicada, do coração.
O bom ouvinte é aquele que, ao falar, abre espaços para que as bolhas de sabão do outro voem livres. Bola vai, bola vem - cresce o amor...
Ninguém ganha para que os dois ganhem. E se deseja então que o outro viva sempre, eternamente, para que o jogo nunca tenha fim...



RUBEM ALVES é educador, escritor, psicanalista e professor emérito da Unicamp.


23 comentários:

  1. Minha gratidão às queridas amigas do já famoso grupo "ERRES",pela oportunidade de rever meus conceitos pasados,presentes e futuros;Rever meus erros e acertos.Bjs amadas!!!!

    ResponderExcluir
  2. Regina F. Murabach17 de abril de 2012 16:59

    Zilda, boa tarde. Eu participei da blogagem do encanto, mas não fiz do desencanto. Prefiro não recordá-los. Obrigada por sua amizade. Fé que chegará nos 1000. Um bj Regina.

    ResponderExcluir
  3. Olá Zilda, amei a postagem. Rubem Alves é sensacional.As metáforas que ele utliza são geniais. :) Em um outra crônica,"As Razões do Amor" que trabalhei certa vez com meus alunos,ele diz que "os místicos e os apaixonados concordam que o amor não tem razões. Vá entender... Já Drummond dizia que o amor foge a dicionários e a regulamentos vários. Mas isso é coisa de apaixonados, né não? :)

    Obrigada pelo convite. Passei minutos agradáveis aqui.

    Um beijo, amiga .

    ResponderExcluir
  4. Olá, querida Zilda

    "Tu és o orvalho que me beija"...
    (Meliss)

    Em pleno período pascal nos reencontramos para tecer o nosso Desencanto... entrelaçar partilhas de coração a coração...

    Vou usar um chavão... Posso???
    Fechou com chave de ouro!!!
    Menina... ar-ra-sou!!!
    Fui lendo, avidamente, com o intuito de ver o fim do jogo...
    Não tive a menor dúvida: meu papai jogou frescobol e a mãe: tênis...
    Mas ficaram casados 56 anos... mesmo assim... Vejo que o amor não tem definições exatas... ele é impreciso... se aplica em alguns casos e para outros, não...
    Mas, o Amor tudo suporta... e no fim, Deus dá o melhor final pra cada história humana mesmo que não seja o que almejávamos tanto!!!
    Vc foi feliz demais ao optar pelo Rubem Alves para exemplificar o que falou sobre o Desencanto... Espetacular!!!
    Vibrei daqui e precisava disso, no dia de hoje, para me recompor de uma virose que me fez ficar dois dias de cama...

    Obrigada por sua participação e nos vemos no próximo mês se Deus quiser!!!
    Bjs de Paz e Esperança junto com o meu carinho fraterno

    "Meu coração orvalhado
    pleno de gratidão,
    agradece a Deus"...
    (Élys)

    ResponderExcluir
  5. zILDA,escolha perfeita!Um texto maravilhoso e verdadeiro!Sem dialogo não existe casamento!bjs e boa semana!

    ResponderExcluir
  6. Sábio texto! Eu li pouquíssimo Roland Barthes, mas tudo que consegui entender eu gostei muito. No meio do texto tem uma frase dele:“Passada a primeira confissão, “eu te amo” não quer dizer mais nada..." resume tudo para uma relação duradoura. E a comparação que Rubem fez entre modos de casamentos: tênis ou frescobol foi perfeita. Usando uma linguagem coloquial, o bate bola é imprescindível. Abraço.

    ResponderExcluir
  7. Zilda um relacionamento com frescobol é sem dúvidas o melhor, mas tenho visto muitos tênis por aí.
    O texto é maravilhoso e sua escolha para essa blogagem foi perfeita.
    Xerosssssssssss

    ResponderExcluir
  8. Oi querida!

    Vim retribuir a visita e acabei por refletir com esta postagem maravilhosa!

    O bom ouvinte é aquele que, ao falar, abre espaços para que as bolhas de sabão do outro voem livres. Bola vai, bola vem - cresce o amor...

    Lindo de mais!!!!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  9. Zilda querida, que lindo post! E é tão verdadeiro, né? As comparações são perfeitas.
    Não é fácil conviver a dois, principalmente se amor não for suficiente p/ se sobrepor aos obstáculos e adversidades... Fico pensando por quanto tempo o amor resiste e não se deixa levar pelo cansaço...
    Beijos e boa quarta,
    Telma
    (www.acessoriosbytelma.blogspot.com)

    ResponderExcluir
  10. Oi Zilda!
    Quanto desencanto provoca um jogo de tênis!
    perfeita a analogia e o texto aqui presente. Muito pertinente.
    Beijinhos!

    ResponderExcluir
  11. Oi Zilda,

    Que interessante a comparação. Bom perceber que faço do meu casamento seja sempre como o frescobol, rsrsr.
    Há quem queira sempre ser maior em um relacionamento mesmo...ou veste uma máscara, para tirá-la após a união, causando decepção, desencanto.

    Vim retribuir a sua visita na primeira fase e desculpar-me por só agora poder retribuir. Estive com uma conexão ruim e tempo corrido, deixando de visitar os blogues participantes da blogagem.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  12. Oi Zilda.
    Que belo este texto amiga, não conhecia, embora adoro este escritor. Que exemplo ele nos dá, gostei muito, bjs.

    ResponderExcluir
  13. Oi Zilda,
    genial o texto de Ruben Alves.
    Perfeita a comparação do tennis e fescobol com as duas formas de "jogar" o amor a dois.
    Termino os comentários em beleza. Sua participação fecha com chave de ouro a 2ªfase.
    Beijinhos além-mar.
    Rute

    ResponderExcluir
  14. Oi Zilda, que bom que você passou no meu blog e me deu a oportunidade de ler o seu post. Rubem Alves é genial. Você me deu a oportunidade de uma leitura prazerosa e que fecha muito bem a ideia da 2 fase da blogagem coletiva. beijos! ;))

    ResponderExcluir
  15. Muito divertida essa crônica que veio para tirar um certo peso do tema.
    Obrigada por sua participação! A blogagem não seria um sucesso os participantes não acatassem a ideia. Sigamos que lá vem outra fase!! (rs*)
    Beijus,

    ResponderExcluir
  16. Cara Zilda,

    que maravilhoso texto de Rubem Alves partilhou connosco!!!!!!

    Um grande abraço para ti!
    Jorge Vicente

    ResponderExcluir
  17. Olá Zilda
    Sua postagem sobre Amor aos Pedaços, está muito bem bolada. O amor é sempre, em qualquer situação, um jogo.
    Obrigada pelo desejo de recuperação.
    Beijo
    Maria Luiza (Lulú)

    ResponderExcluir
  18. Boa tarde, tudo bem?
    Hoje tirei um tempinho para visitar as amigas blogueiras e vim desejar um ótimo fim de semana pra vc, bjs

    ResponderExcluir
  19. Olá bom dia, querida vc entrou no meu blog, me deixou um comentário mas não foi pra elogiar, deixo te perguntar uma coisa por acaso lá no meu blog ao deixar comentários vc encontrou verificação de palavras?, que eu saiba já tinha tirado
    Obrigada pela atenção e pela visita que levei como crítica sem merecer bjocas, pois postou um aviso que não serviria e nem serve pra mim
    Se for pra deixar algum tipo de comentário construtivo seja bem vinda
    JOirce Menezes
    Joirce Menezes

    ResponderExcluir
  20. Olá Zilda !!!obrigado por me seguir.Seu blog é bem diferente.Obrigada pela dica.1000 bjs!!!!

    ResponderExcluir

OBRIGADA POR SEU COMENTÁRIO,SE ACHAR QUE VALE A PENA COMPARTILHE EM SUAS REDES SOCIAIS.
GRANDE BEIJO!!!

AZUL

AZUL

PERNAMBUCO

PERNAMBUCO
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

QUER PERSONALIZAR SEU BLOG?CLIQUE NO SELO E FALE A MERI!!!!